Herói de seu tempo: poesias do gigante Mikhail Lermontov

Mikhail Lermontov (Михаил Лермонтов, 1814-1841), o “poeta do Cáucaso”, chamou a atenção da Rússia com “A Morte do Poeta”, poema escrito em 1837, ocasião da morte de Alexander Púchkin.

Pelos anos seguintes, foi tido como o poeta nacional, uma espécie de substituto de Púchkin, até que em 1841 teve o mesmo fim de seu predecessor: morto em um duelo por um companheiro militar que se ofendeu com uma de suas muitas piadas de – muito, diga-se de passagem – mau gosto.

Apesar de seu corpo ter sido deixado ao tempo, tamanha a antipatia de seus conhecidos, Lermontov é lembrado até hoje como um dos grandes poetas da Rússia. Suas maiores e mais inesquecíveis obras são o poema “O Demônio” (Демон) e o romance “O Herói de Nosso Tempo” (Герой нашего времени), traduzido no Brasil por Paulo Bezerra.

“Ninguém escreveu na Rússia tão correta e agradável prosa” – Gogol

“Eu não conheço uma linguagem melhor do que aquela usada por Lermontov”Tchekhov

“Que força tinha este homem! Podia fazer de tudo! Ele iniciou direto como uma força poderosa!”Tolstói

Os dois poemas abaixo têm a tradução do também gigante poeta, crítico e tradutor português Jorge de Sena, um dos maiores intelectuais lusos do século 20, autor do famoso romance ‘Sinais de Fogo’. De Sena, aliás, foi homenageado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com a criação da Cátedra Jorge de Sena, para estudos de literaturas luso-afro-brasileiras. Recomendo uma visita ao site deles aqui.

O Rochedo

A nuvem de ouro dorme a noite inteira
no seio do gigântico rochedo.
Pela manhã, levanta-se bem cedo,
e descuidada vai-se pelos céus, ligeira.

Mas lá restou de orvalho um breve traço
nas rugas do penedo solitário.
E é como se ele ficara multivário
chorando suavemente ante o vazio espaço.

Утес

Ночевала тучка золотая
На груди утеса-великана;
Утром в путь она умчалась рано,
По лазури весело играя.

Но остался влажный след в морщине
Старого утеса. Одиноко
Он стоит, задумался глубоко,
И тихонько плачет он в пустыне.

Nuvens

Ó nuvens pelos céus que eternamente andais!
Longo colar de pérolas na estepe azul,
exiladas como eu, correndo rumo ao sul,
longe do caro norte que, como eu, deixais!

Que vos impele assim? Uma ordem de Destino?
Oculto mal secreto? Ou mal que se conhece?
Acaso carregais o crime que envilece?
Ou só de amigos vis o torpe desatino?

Ali não: fugis cansadas da maninha terra,
e estranhas a paixões e o sofrimento estranhas
eternas pervagais as frígidas entranhas.
E não sabeis, sem pátria, a dor que o exílio encerra.

Тучи

Тучки небесные, вечные странники!
Степью лазурною, цепью жемчужною
Мчитесь вы, будто как я же, изгнанники
С милого севера в сторону южную.

Кто же вас гонит: судьбы ли решение?
Зависть ли тайная? злоба ль открытая?
Или на вас тяготит преступление?
Или друзей клевета ядовитая?

Нет, вам наскучили нивы бесплодные…
Чужды вам страсти и чужды страдания;
Вечно холодные, вечно свободные,
Нет у вас родины, нет вам изгнания.

Ah, e o legal desse post é que ele foi feito em conjunto, após um papo sobre os velhos escribas do outro lado do mundo, com o blog amigo Literatura Russa, a quem também recomendo fortemente visitas frequentes!

email
Related Posts with Thumbnails
http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/stumbleupon_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/delicious_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/technorati_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/google_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/myspace_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/facebook_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/yahoobuzz_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/twitter_48.png


4 respostas para “Herói de seu tempo: poesias do gigante Mikhail Lermontov”

  1. Muito legal, Fabrício. Só faltou indicar o http://www.letras.ufrj.br/lerjorgedesena. Aliás, peço autorização para indicar a sua matéria no noticiário semanal do Ler Jorge de Sena.

  2. Marcos Mariz disse:

    Alguém, por um acaso, teria a tradução em português do poema Demônios do Lermontov?

    • fabyuri disse:

      Boas Marcos,
      Acho que o ‘Demon’ (Demônio, sem plural), não tem uma tradução oficial em português. Se vc não conseuigr ler em russo, tente ler em inglês, espanhol ou sei lá. É espetacular. Particularmente, Lermontov é meu favorito!
      abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia o post anterior:
Confira a palestra em russo do professor Igor Volguin

Admito que fiquei completamente frustrado por não poder ter ido ao Seminário Internacional "O Legado de Lev Tolstói para o...

Fechar