Ih, me formei em Letras, e agora???

Bom, não sei se alguém aqui sabe, mas me formei em Letras, Português-Russo, pela UFRJ, já tem uns bons muitos anos atrás. Antes de entrar pra faculdade, eu imaginava que o campo de trabalho de um bacharel em Letras seria um só: dar aula. Aos poucos, fui adicionando ao leque outras especialidades, como tradução, pesquisa… Mas nunca, durante meu tempo de salas de aula, fui muito além disso.

Hoje uma leitora do blog mandou um comentário que achei bacana. Ela diz:

Pretendo fazer Letras e estudar russo (…), porém tenho duvidas em relação ao mercado de trabalho.
Você poderia dar alguma dica de uma possível profissão a ser seguida após o término do curso? Será que apenas a carreira de intérprete ou professora podem ser exercidas?

Bom, então, de cara, digo: o profissional de Letras trabalha com a língua. E a língua é, nada mais, que o reflexo primordial e máximo da cultura de um povo, de um grupo étnico-linguístico. Por tabela, então, o mercado de trabalho para o bacharel em Letras é a… Cultura! E tudo que ela traz consigo.

E, quando digo, Cultura, assim, com cê maiúsculo, englobo tudo: língua, música, cinema, arte, tradução, literatura, negócios, tradução de livros, simultânea, importação/exportação, adaptação sócio-cultural… Onde tiver alguém falando com alguém de outro lugar, tem uma vaga para alguém formado em Letras.

Lembra aquela folclórica história, no caso do russo, de que eles só fazem ou fecham negócio se o interlocutor beber vodka? Pois é. Isso é, em muitos dos casos, verdade. A vodka é um ritual cultural – não muito sadio, concordo -, que um bacharel em Letras tem que dominar.

A gente tem que saber não só traduzir, mas como o povo se relaciona, como olhar, como se comportar, como se vestir… Temos que saber as referências urbanas de Petersburgo de 1950, se formos traduzir um livro, temos que saber cantar o hino de Moscou, aquele assim ‘Но Москвою привык я гордиться, И везде повторял я слова: Дорогая моя столица, Золотая моя Москва… Temos que saber como tratar um aluno russo, como beber vodka (sim, você pode ter sotaque bebendo vodka!), como se vestir no inverno…

Enfim, a gente tem que saber, além da língua, da sintaxe, da gramática, como falar, como apertar os botões das pessoas, mostrar pra elas que sim, você pode não entender tudo, mas você sabe como as coisas acontecem, linguisticamente, e sabe como elas funcionam, emocional e culturalmente. Você, de uma forma peculiar, existe em dois ou mais mundos. E entende esses mundos.

Lembro de um doutor, numa formatura de um curso de Informática, que disse que os analistas de sistemas dali não aprendiam a programar, simplesmente. Aprendiam a pensar sistemas. Quando você aprende Cobol, C++, Dbase, ou qualquer linguagem, esta mais cedo ou mais tarde, fica obsoleta, e leva você com ela. Agora, quando você aprende a pensar soluções, a criar pontes, você nunca fica obsoleto.

E é isso que nós somos. O profissional de Letras é uma ponte, que liga a literatura, os negócios, a língua, as culturas… As pessoas, umas as outras.

Então, aí que está. Sempre que houver um muro ou um abismo cultural, é aí que a gente entra. Podemos dar aulas em escolas, universidades – para alunos carentes ou para presidentes -, ser tradutores de livros, tradutores simultâneos, podemos dar consultoria a empresas ao longo de negócios que vão da compra de jatos supersônicos até a importação de broches, podemos trabalhar em jornais e para jornais, explicar como funcionam as coisas lá para quem mora cá…

Podemos pesquisar lá, podemos pesquisar cá, podemos ser comissários de bordo, assessores, diplomatas, secretários, revisores, copidesques, ghost-writers, professores, mestres, doutores, pós-doutores, tradutores, especialistas, jornalistas, articulistas, monitores…

Enfim, podemos ser tudo o que nossa imaginação permitir. Afinal, uma ponte nunca é, simplesmente, uma ponte. Uma ponte é sempre algo que liga um lugar ao outro.

PS.: Em breve, voltaremos para a programação normal! =)))

email
Related Posts with Thumbnails
http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/stumbleupon_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/delicious_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/technorati_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/google_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/myspace_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/facebook_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/yahoobuzz_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/twitter_48.png


40 respostas para “Ih, me formei em Letras, e agora???”

  1. que texto lindo, abriu meus horizontes :)

    mais uma vez, muito obrigada!

  2. Bremm disse:

    Minha mãe é formada em letras pela PUCRS. Particularmente eu acho a profissão dela muito bacana (sem contar o fato dela ter me ensinado a ler e escrever com quatro anos de idade).

    Quando ainda estava na UFRGS, a Profª Tanira Castro me sugeriu que eu fizesse Letras, depois que ela me viu dando explicações de fonética portuguesa para umas alunas de intercâmbio da SPBGU. Eu disse para ela que “não tinha saco” para fazer nada relacionado a humanas (sempre tencionei Física e acabei indo para a Engenharia de Controle e Automação).

    Para resumir a conversa, a Tanira disse-me que com bacharelado em Letras poderia trabalhar por exemplo, no Itamaraty. Para vocês que gostam de idiomas mas não estão a fim de comer pó de giz e ganhar esmola ao invés de salário (minha mãe trabalhou 25 anos para o Estado do RS e ganha menos de R$2000,00 de aposentadoria), trabalhar para o Governo Federal é uma boa.

    Eu estudo russo e francês por diversão. =)

  3. nany disse:

    já estava desistindo do curso de letras,primeiro que não quero fazer para ser professora além de gostar muito de criança, vivo da arte e vi uma reportagem que para fazer o curso de dublagens eu precisaria ter pelo menos o curso de letras queria saber se isso é verdade bjs

    • fabyuri disse:

      boas nany,
      obrigado pela visita e pelo comentário.
      então, acho que talvez vc tenha confundido. para ser dublador (o cara que empresta voz aos filmes estrangeiros), é bom ter o curso de artes cênicas e ser ator, embora eu não esteja certo de que isso seja obrigatório. agora, para ser intérprete (o cara que faz traduções simultâneas de eventos, seja ao vivo ou na tv), é bom ser formado em letras, na língua da qual vc se especializa. embora isso, definitivamente, não seja obrigatório.
      enfim, é isso.
      abracos

  4. Helen disse:

    Boa noite!!! Faltou apenas saber seu nome..
    Enfim, e formei em historia por me identificar muito e no decorrer do pecurso d minha formaçao tbm ganhei bolsa no curso de letras, no momento achei uma boa e perto de concluir meu curso de historia comecei a fazer letras. Assim, fiz os dois cursos.O fato é que fiz os cursos por gostar, mas nunca pensei em ser professora e, hoje cá estou em sala de aula como professora eventual do estado passando por essa humilhaçao que é trabalhar e quase nunca receber e qdo recebo, receber quase nada de salario. Tenhoi 24 anos e nao sei qual caminho seguir, amei seu texto acima mas nao consigo colocar em pratica o q disse acima..

  5. Ana disse:

    Olá!
    Sou formada em Letras mas não quero dar aulas e nem quero algo relacionado com tradução. Gostaria de algumas opções de cursos de pós graduação que não tivessem a ver com essas funções e ao mesmo tempo tenham boa remuneração ou estejam se expandindo (serão promissoras)
    Obrigada.

  6. Gui disse:

    cara, muito bom o teu texto. To tomando uma ceva e pesquisando sobre onde aprender o idioma da nação mais extensa do mundo… ja sei que, depois que enviar meu comentario, posso dar uma olhada no site da ufrj. Vlw mesmo!
    E by the way, cobol é velho pacas! Mas foi um exemplo muito bom. Vou me formar em ADM este ano, se o bom deus assim o quiser, e daqui uns 5 anos, em historia da arte. Nesse meio tempo, vou tentar encaixar letras-russo enquanto concilio meu trabalho como tecnico de CFTV com as outras graduações. complicada a trama hein?! Vlw mesmo pela redação!

  7. Olá, estou cursando Letras – Licenciatura com ênfase em inglês, mas muito interessado pela língua e pela cultura russa. Meus conhecimentos quanto ao idioma ainda são muito limitados, mas pretendo me aperfeiçoar.
    A faculdade na qual curso Letras não oferece a ênfase no russo, o que me obriga a estudar a língua como atividade extracurricular. Quanto à formação: quais serão minhas limitações no mercado de trabalho por estar cursando como extracurricular (se existirem)? Qual o próximo passo para que eu seja declarado oficialmente um profissional na área? Existe a possibilidade de enriquecer meu currículo nesta área após a graduação em Letras/Inglês?

    Agradecido

    • Boas Luís Henrique,
      Como profissional de Letras, vc já tem meio caminho andado. Porém, é preciso lembrar que o ensino superior é diferente daquele praticado nos cursinhos e entre autodidatas. Imagine uma comparação entre um profissional formado em inglês por uma universidade e por um cursinho. São objetivos diferentes.
      E se vc tem a intenção de seguir profissionalmente com o russo, pq faz inglês?
      Sim, existe. Talvez complementando seus estudos no país cuja língua vc se dispõe a trabalhar sem dúvida vai enriquecer seu currículo.
      Abraços,
      Fabrício

  8. patricia disse:

    Estou em duvida quanto o curso de letras ou pedagogia qual a area e melhor nao me importo em ser professor mas,falam tao mau quando digo que quero cursar letras o que acha?

  9. Tiago disse:

    Quero trabalhar como tradutor/intérprete, mas para o idioma que eu pretendo cursar, não existe a opção de ênfase em tradução, ou é bacharelado(ênfase em estudos linguísticos, literários) ou licenciatura. Pra essa minha meta de trabalhar com tradução, Bacharelado é ainda a melhor escolha? Espero que possa me responder, abraço!!

    • Boas amigo,
      Tente ver a universidade apenas como uma das ferramentas para atingir seu objetivo. Aposto com vc que 95% dos tradutores do mercado não têm ‘faculdade com ênfase em tradução’. Domínio da língua e competência são essenciais para quem quer trabalhar nessa área. E o bacharelado em Letras te dá alguns dos subsídios para isso.
      Grande abraço

  10. Tiago disse:

    Boa tarde!!
    Acho que estou é em surto pós ensino médio, hahaha. Vou me acalmar mais, tenho certeza do que quero e não há por que me alarmar tanto assim. Muito obrigado por responder, Fabrício,
    Um grande abraço!

  11. Daniel disse:

    Bom..atualmente curso fisica na unesp…cara nao tem nada ve comigo…
    Andei estudando a grade do curso de letras tem tudo a cer comigo…fiz testes..e foi comprovado que meu destino e letras…
    Estou pensando em fazer letras/frances. .
    Minha pergunta é..
    Eu me formando em letras posso fazer pos em outro pais?
    Posso dar aula em outro pais?
    Desde ja obrigado pela atenção!!!

  12. Ismael Assunção disse:

    Excelente material este aqui para quem ainda não entendeu a dimensão da área de atuação de um profissional de Letras…Cara, as pessoas ainda não tem 1% do valor real da noção do espaço que tempos com a habilitação nessa área…é uma área que abre muitas portas, portas que não se abrem para outros grandes profissionais…eu estudo Letras hoje, coisa que já devia ter feito há muito tempo…Parabenizo a autoria deste artigo…também me sinto muito mais motivado e seguro quanto a esse grande passo que dei!!!

  13. Shayene Vianna disse:

    Oi, eu gostaria de saber se para fazer um curso de Letras Port./Francês tem que ter conhecimento prévio do idioma.

  14. Leonardo disse:

    Olá,

    Primeiramente parabéns pelo artigo. Tenho algumas dúvidas e gostaria de compartilhar contigo, quem sabe pode me ajudar.

    Sou formado em jornalismo e especializado em revisão de texto, curso atualmente letras – português.

    Mas estou em dúvida se sigo com o curso de letras – português ou migro para o de português-inglês, já que pretendo trabalhar com tradução (tenho estudado bastante sobre a área).

    Obrigado!

  15. Patrícia disse:

    Olá Fabrício, encontrei seu blog por acaso e curti o seu artigo. A questão é que estou com uma dúvida tremenda, sou formada em jornalismo e trabalho na área desde que formei a quase 4 anos, também estou concluindo o curso de letras – português- inglês. Tenho interesse em, assim que concluir, começar um mestrado, mas eu queria algo que envolvesse as duas áreas. Você que é mais experiente na área teria alguma dica de curso?

    • Boas amiga,
      Então, se vc se formou há quase 4 anos e está terminando Letras, já tem uma boa noção do mercado.
      Mas, para mestrado, vc vai ter que optar por fazê-lo na área de Comunicação ou de Letras. Ou qq outra área de humanas afim. E pensar em um projeto que contemple sua versatilidade.
      Eu optei por Letras, mas é o caminho que pretendo seguir.
      Abraços e boa sorte!

  16. Jeanni disse:

    Olá, Fabrício.
    Você fez intercâmbio para a Rússia quando você estava na graduação? A Faculdade de Letras da UFRJ dá algum tipo de auxílio?
    Grata.

    • Boas,
      Não, não fiz intercâmbio durante a faculdade. E não sei se eles dão auxílio. No entanto, os professores que lá estão (Diego, Sonia…) são excelentes, conhecem muita gente e certamente podem te auxiliar durante o processo.
      abraços!

  17. Rafael Porfirio disse:

    Olá quero me formar em Letras Português/Innglês mas na minha região não tem a opção de bacharelado somente a licenciatura, só posso atuar na área da educação com a licenciatura?

  18. Cynde Delaina disse:

    This web page is really a walk-by means of for all of the information you needed about this and didnt know who to ask. Glimpse here, and youll positively discover it.

  19. Jean Carlo disse:

    Que legal, seu texto! Acabei de ser aprovado no curso de Letras e agora – após ler o que escreveu – tive a certeza de que estou no rumo certo do que eu quero.
    Счастье для нас
    <3

  20. Mariana M. disse:

    Eu chorei lendo esse texto! Acabei de passar no vestibular para ser bacharel em Letras e me vi meio perdida em relação a profissoes futuras. . . Agora vou fazer a faculdade certa do que quero ser! brigadao de coracao!

  21. David disse:

    Quem e formado em Ed Física pode fazer pós em letras?

  22. Manoela disse:

    Olá. O texto é realmente lindo, chega a ser poético, típico de quem é formado em Letras e é apaixonado pelo que faz. No meu caso, não foi bem isso que aconteceu. Amei minha faculdade, porém caí em uma sala de aula após passar em um concurso público e me arrependo amargamente todos os dias. Preciso me livrar desse mal, mas me sinto totalmente perdida sem saber pra onde ir e acredito que, na minha idade, começar outra faculdade não seria nada aproveitável para o mercado de trabalho.

  23. Caroline disse:

    Estou seriamente pensando em cursar Letras,porém o curso no qual irei me matricular é de licenciatura! Gostaria de saber a sua opinão em relação a esta situação porque não tenho a menor vontade e vocação para ser professora, pois desejo me fincar na área de revisão de textos jornalísticos e/ou revistas enfim trabalhar em uma editora! Então gostaria de saber se isto é possível? E se é possível, o que devo fazer para alcançar este objetivo?
    Aguardo o retorno!!!

    • Boas,
      Então, revisão em jornais e revistas, isso praticamente não existe mais. Revisão, talvez, de livros.
      Mas acho que sua opção não tem muito a ver com o russo. Talvez seja melhor vc procurar orientação adequada. Os testes vocacionais podem te ajudar.
      Abraços,

  24. Oi qual a diferença entre Bacharel e Licenciatura? disse:

    Adorei seus comentários e experiencias.

  25. Lucas disse:

    Olá,
    Amei o seu texto. Estou no 3° ano do Ensino Médio e penso muito em cursar Letras – Português/Inglês que é um idioma que eu amo, mas o meu medo é por causa da baixa remuneração e de ficar preso dentro de uma sala de aula, entende? Quero expandir meus horizontes e também não quero ganhar um salário tão baixo. O que você me propõe?

  26. Camila disse:

    Olá! Gostei bastante do seu texto! Tenho 24 anos e acabei de me formar em Licenciatura em Letras, mas não tenho vontade de dar aulas. Eu gostaria de trabalhar em editoras ou na revisão de textos de veículos de comunicação. Realmente não há mais vagas para esse tipo de atividade em redações de jornais e revistas? Não estou trabalhando no momento e estou meio perdida sobre qual rumo seguir… Você poderia me dar alguma dica para ingresso neste mercado que estou procurando?

  27. Alex Arteman disse:

    Boa tarde pessoal, tenho uma grande duvida em qual ramo seguir. Atualmente trabalho com o departamento de vendas diretas, amo o que faço e me dedico ao extremo todos os dias. Desde meus 14 anos quando comecei um curso de Inglês me apaixonei pela língua e ai que surgiu o sonho em fazer letras Português\Inglês, tenho medo pois desconheço o mercado, fazer uma faculdade por sonho e depois não ter exito. Procuro muitas orientações antes de fazer qual quer coisa e gostaria de pedir a ajuda de vocês, Meu Email é artemanalex129@gmail.com quem tiver uma experiencia ou conhecimento do mercado e puder me orientar serei muito grato. Desde já muito obrigado .

  28. Mayara disse:

    Olá, achei seu artigo muito interessante, gostaria de tirar uma dúvida e espero que possa me auxiliar.
    Vou iniciar o superior de Letras no inicio de 2015, porém não gostaria de lecionar e sim de traduzir, conhecer culturas e me relacionar com elas… Na minha cidade não encontrei um curso apenas relacionado a tradução (somente um em que seria uma pós graduação) e nesse caso teria de fazer Letras Licenciatura.Mesmo com o curso relacionado a docência eu conseguiria ter a carreita voltada apenas para tradução?
    Realmente espero que possa me ajudar. Obrigada

  29. Frank disse:

    Estive lendo este post, e mais uma vez as dúvidas pairaram sobre a minha cabeça. Mesmo tendo nascido numa cidade isolada do interior baiano, e sem ter dinheiro para comprar livros (luxo), sempre li o que encontrava pela frente, desde pequenos pedaços de jornal até bulas de medicamentos encontradas no lixo. O meu pai ia à feira na cidade, e recolhia jornais velhos, qualquer coisa que continha texto, e trazia tudo isso para eu ler. Para resumir, meus pais, assim como meus avós eram todos analfabetos, e então eu lia para eles, assim como um pai conta história para seus filhos antes de dormi, eu contava histórias para os meus pais e avós.
    Sem mais delongas: Sempre tive facilidade com áreas de humanas, sempre gostei de ler e escrever, e todos meus amigos falam que eu deveria estudar letras. Porém, eu fui para um caminho distante: curso engenharia, e o que eu mais sinto falta na faculdade de engenharia é justamente da leitura, dos questionamentos, dos debates, pois trata-se de um curso onde ficamos mergulhados em cálculos. SABE QUAL É MEU SONHO? Ser professor! Acho que esta é a única coisa que me daria prazer(atualmente trabalho como analista de processos),porém, meu medo é a questão financeira, não posso ser hipócrita e dizer que dá para sobreviver em São Paulo com qualquer salário,mas confesso, estou muito tentado a largar Engenharia e partir para letras. Me dedicar, correr atrás da graduação, pós-doutorado, correr atrás de uma vaga em uma universidade. Vivo um dilema, pois não me sinto realizado.
    Ao ler os comentários, eu me animo, desanimo, enfim…. Assim que eu tomar a decisão, volto para contar a vocês…

    Abraços!!!!

  30. Débora Amaral disse:

    Primeiramente devo parabenizar pelo texto, fiquei muito orgulhosa por atualmente cursar Letras e seu texto me trouxe esse sentimento.
    Tudo na vida haverá observadores e participantes, os observadores são aqueles que fazem um julgamento apenas por verem outros falarem e não porque passaram, já os participantes são aqueles que sofrem a causa e dão a sentença, a finalidade deste comentário é que têm pessoas que realmente tem propriedade para falar da área de Letras e outras só ouviram falar dos acontecimentos e isso acaba formando uma grande massa negativa sobre o curso. Não posso ser hipócrita e fechar os olhos para a realidade, que é a falta da valorização do profissional, mesmo não lecionando já foi aluna e sei o que os professores passam com as questões mais apontadas aqui e que acho desnecessário cita-los novamente, mas o ponto CHAVE para atuar desta área é a necessidade de ter a mente aberta para usar os nossos conhecimentos e ir atrás daquilo que as pessoas precisam e principalmente buscar aquilo que ninguém faz, ser diferente e inovar, trazer para as pessoas o que elas necessitam, mas nunca esquecendo do mundo atual.
    E deixo minha frase que muito me baseio:

    “Nenhum curso e percusso será fácil, mas mais difícil será se não for o do caminho desejado”.
    – Débora Amaral.

    Obrigada!!

  31. Débora Amaral disse:

    Primeiramente devo parabenizar pelo texto, fiquei muito orgulhosa por atualmente cursar Letras e seu texto me trouxe esse sentimento.
    Tudo na vida haverá observadores e participantes, os observadores são aqueles que fazem um julgamento apenas por verem outros falarem e não porque passaram, já os participantes são aqueles que sofrem a causa e dão a sentença, a finalidade deste comentário é que têm pessoas que realmente tem propriedade para falar da área de Letras e outras só ouviram falar dos acontecimentos e isso acaba formando uma grande massa negativa sobre o curso. Não posso ser hipócrita e fechar os olhos para a realidade, que é a falta da valorização do profissional, mesmo não lecionando já foi aluna e sei o que os professores passam com as questões mais apontadas aqui e que acho desnecessário cita-los novamente, mas o ponto CHAVE para atuar desta área é a necessidade de ter a mente aberta para usar os nossos conhecimentos e ir atrás daquilo que as pessoas precisam e principalmente buscar aquilo que ninguém faz, ser diferente e inovar, trazer para as pessoas o que elas necessitam, mas nunca esquecendo do mundo atual.
    E deixo minha frase que muito me baseio:

    “Nenhum curso e percurso será fácil, mas mais difícil será se não for o do caminho desejado”.
    – Débora Amaral.

    Obrigada!!

Deixe uma resposta

More in Cultura (109 of 177 articles)