‘Beijo de Pútin’ fatura prêmio no Festival de Sundance

Eu tento, mas não consigo não falar de Putin. Mas agora é um motivo mais artístico. O polêmico documentário da dinamarquesa Lise Birk Pedersen, ‘Putin´s Kiss’, ou ‘O Beijo de Putin’, levou o prêmio ‘World Cinema Cinematography Award for Documentary Filmmaking’ do Festival de Sundance 2012, o que, em linhas gerais, poderia ser algo como “melhor fotografia para documentário – cinema mundial”.

O filme conta a história de Masha Drokova, uma então séria ativista do movimento ‘Nashi‘, a juventude de Putin, grupo muitas vezes acusado de autoritarismo e ultranacionalismo. A jovem acaba colocando em dúvida sua crença no atual premiê russo ao se aproximar de grandes nomes da oposição, como o jornalista Oleg Kashin, espancado em Moscou, e Ilya Yashin.

Como obviamente ainda não vi o filme – e recomendo que vocês vejam o trailer aí embaixo -, minhas impressões ainda são breves, mas confesso que nutro uma certa simpatia por ele, por mostrar essa pequena mas relevante faceta sombria, pós-moderna e até mesmo fascista da Rússia. Fiquei muito impressionado com a ideia, com os rumos que o documentário tomou e com a figura de Masha.




A diretora dinamarquesa deu algumas entrevistas, e também gostei muito do que ela falou. Ao que parece, decidiu virar documentarista após se frustrar com as fotos de uma viagem pela China, quando tinha 16 anos. Frustração que também me aflige sempre após minhas viagens – as fotos quase nunca captam a essência dos lugares.

Sobre como foi fazer o filme por lá, numa época tão conturbada, ela diz que a dificuldade número foi o fato de não falar russo. ´Fazer um filme na Rússia não é como um passeio no parque, mesmo que você não fale a língua. Eu queria contar uma história sobre a Rússia moderna, mas, conforme o filme progredia, eu percebi que se tornou um sintomático panorama do péssimo clima político que encontramos naquele país estes dias´, diz a diretora Pedersen (abraçada com Masha na foto) à revista do Festival de Sundance.

Agora é esperar para conferir. E você pode ler mais (em inglês) sobre o filme aqui.

PS.: A primeira versão deste texto dizia que o prêmio ‘World Cinema Cinematography Award for Documentary Filmmaking’ poderia ser algo como melhor documentário. Erro, mea culpa. ‘cinematography’ a gente traduz como fotografia. Logo, seria algo como “melhor fotografia para documentário”. O texto foi corrigido dia 14/03/2012.

email
Related Posts with Thumbnails
http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/stumbleupon_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/delicious_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/technorati_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/google_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/myspace_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/facebook_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/yahoobuzz_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/twitter_48.png


2 respostas para “‘Beijo de Pútin’ fatura prêmio no Festival de Sundance”

  1. Felipe Goltz disse:

    Caro Fabrício,
    Desde que Vladimir Putin chegou ao poder em 2000 na Rússia, é impressionante a onda anti-Rússia no Ocidente desde então. Coisa, aliás, que andava adormecida na era Yeltsin, um pândego alcoolatra que destruiu aquele país em nome de valores ocidentais. Que valores são realmente importantes, quando o bem estar da população é rebaixado ao fundo do poço? Para agradar os EUA? Só pode ser isso.
    Estes documentários ou filmes “impactantes”, “chocantes”, sei eu lá mais o quê, para mim são puro lixo, que nem merecem um segundo do meu tempo. A cantilena é a de sempre: Putin é um ogro, é um ditador, é um malvado, come criancinhas e bebe o seu sangue no almoço e no jantar. Santa páciência! Confesso que é um porre ver e ler este tipo de coisa na mídia. Não tenho mais paciência para aturar este tipo de coisa. Vladimir Putin sempre prometeu, e cumpriu à risca até hoje, modernizar e enriquecer a Rússia e os russos. Aquele país é incomparavelmente mais próspero que durante os anos Yeltsin, quando largas parcelas da população foram atiradas na miséria um grupelho de bandidos amealhou o que pôde de estatais, os tais oligarcas. É lógico que há problemas, mas qual país não os tem? Acho que até a Suíça ou Mônaco tem as suas querelas. De qualquer forma, legal o seu blog, Fabrício.
    Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia o post anterior:
Fim de semana de protestos contra e a favor de Putin

Sob o gelo de um inverno que começa a ficar cruel, há um caldeirão em ebulição na Rússia. Depois das...

Fechar