Como é viajar num Tupolev para o Cáucaso

0
499
views

Dando mais um tempo na onda de ‘Nova Revolução Russa’, volto ao tema Cáucaso – que, aliás, estará no blog ainda esta semana, com o ‘Não Conta Lá em Casa’ em Vladikavkaz e Beslan, na Ossétia do Norte -, agora com um post curioso sobre o Daguestão, terra de Roberto Carlos e seu esquadrão futebolístico.

Um pouco depois do retorno do pessoal do ‘NCLC’, o grande amigo Rafael Maranhão também precisou ir para a pequenina e temida república do Cáucaso Russo. O cara vira e mexe tá lá na terra gelada fazendo excelentes matérias sobre futebol e tudo nessa órbita. Coincidentemente, é um daqueles caras que enxerga além dos clichês e consegue matérias legais com algo novo (você pode ler uma delas aqui). Bom, dei uma pequena ajudinha nessa viagem também, e lá foi ele ‘curtir’ Makhachkalá.

As tais ‘matérias legais’ futuras, espero, estarão devidamente reproduzidas aqui no blog em breve. E o Rafa foi camarada o bastante pra dar pra gente aqui do blog um post com alguns toques bem legais. O primeiro deles é sobre um assunto do ‘Não Conta Lá em Casa’ que gerou muitos comentários e e-mails: como é viajar naqueles aviões-espeluncas até o Cáucaso?

A Daguestan Airlines, e aí a Wikipédia me ajudou nisso, é a companhia que serve o pequeno país. ‘Independente’ da Aeroflot desde 1996, tem hoje uma frota de cinco aviões Tupolev 154 (eram seis, mas um se acidentou em 2010, no Domodedovo, em Moscou…). E é exatamente de um desses que o primeiro toque do Rafa fala.

E aí, deixo ele contar pra gente como foi essa experiência tensa:

Aqui vão algumas fotos dos Tupolevs. A primeira é do ‘tupola’ da ida, da DagAir, contra o sol com celular já na chegada a Makhachkala. A segunda é a galera se espremendo pra furar fila e entrar no avião. O Tupolev da volta era da south East Airlines, que é subsidiária da DagAir. Por fora, deram uma pintada na lataria. Por dentro, é a mesma coisa. A mesma decoracão velha e parecendo mofada.

A terceira é da saída de emergência. Quem senta ali pode esticar as pernas, mas não tem onde apoiar as bandejas. Não que o servico de bordo seja farto: refresco de laranja ou suco de tomate. C(h)afé ou chá com limão. Também servindo um micromuffin com doce de leite (que eu esqueci o nome mas vc vai saber). Repare no detalhe da segunda porta de emergência que está vedada com uma fita adesiva sobre o aviso de saída, porque virou mais uma fileira de cadeiras. O sujeito encolhido na foto está, como todo mundo estava, morrendo de frio, pq a calefacão estava desligada.

A quarta não pegou bem o espaco interno, mas dá para notar o aperto e o porta-bagagens minúsculo cujas portas (algumas) abriram na aterrissagem.

Por fim, os bancos que inclinavam pra frente se alguém não estivesse sentado. Não havia controle para recliná-lo. Era torcer para ele não descer sozinho e você levar com o joelho de alguém nas costas ou dar uma joelhada nas costas de alguém.

Depois, tem a foto do banheiro do Tupola. Não dá exatamente para ver os detalhes. Ele parece até maior do que é, não dá para ver o pedal da descarga e a luz da câmera deixou o ambiente um pouco mais iluminado. Também não dá pra ver aquele fiozinho de água que sai da torneira e, obviamente, nem pra sentir o cheiro de cigarro, hehe.

A outra foto é a do servico de bordo. Um refresco de laranja de máquina e um bolinho bem pequeno, tipo muffin, com recheio de doce de leite.

A última a pista de Makhachkala com a neve nas montanhas, a primeira nevasca havia caído exatamente naquela noite. Não sei se esse carrinho que aparece era do servico de emergência. Olha, a dúvida sobre viajar armado foi desfeita. o cara na fila do raios-x tinha uma arma. Teve que assinar uma papelada lá e a arma seguiu no avião, mas não com ele.

Eu confesso que até o acidente com o time de hóquei de Yaroslav eu nem estava me ligando muito nessa história dos aviões precários da Rússia.

Uma outra coisa que o Rafael notou foi uma espécie de ‘boom’ imobiliário (juro que não tem aí nenhum trocadilho) numa região específica de Makhachkalá. Kaspiisk, um município vizinho, agora é onde estão todos os novos empreendimentos locais. ‘O novo estádio, a concentração do Anzhi e os projetos imobiliários estão concentrados na estrada entre Kaspiysk e Makhackala. Porque fica mais perto do aeroporto, do mar e porque você não precisa nem pisar em Makhackala. Além disso, não tem nada lá e é sempre mais fácil construir do zero do que reconstruir o que está caindos aos pedaços. Por outro lado, é em Kaspiysk que fica uma base militar que já foi algumas vezes alvos de ataques.’

Aí fui conferir isso com meus amigos daguestanis. Realmente, a região é uma das mais caras do país. Um apartamento de dois quartos custa, em média, R$ 160 mil, em Kaspiisk, que fica a uns 20km da capital, no trajeto entre o aeroporto e Makhachkala. Mas é bem interessante pra gente conhecer um pouquinho mais desse rincão russo (ou daguestani).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.