Do baú: estreando no Cáucaso, em 2002 (pt.2)

1
70
views

Arrumando as malas para enfrentar o primeiro gigante: Karmadon. Pouco mais de 2 km acima do nível do mar. Isso sem escalar – coisa proibida nesta época do ano devido à alta umidade. São três horas de serras, rios, lindas paisagens e paredões assustadores. Mas lá em cima, tudo compensa: a vista é fantástica. Ao seu redor, somente montanhas enormes, nuvens, frio. O tempo munda a cada 5 minutos: sol, chuva, vento, neblina! E o mais impressionante: devido a uma combinação de fatores climáticos, você não sente muito os efeitos da altitude. Mas se tiver experimentado a vodca caucasiana, é melhor não debruçar nos penhascos…

Dormir nas montanhas é uma experiência fantástica. A impressão que se tem é que dá pra sentir a Terra rodar. O barulho do vento, frio, calor. Infelizmente, não tive sorte dessa vez, e o dia amanheceu completamente nublado. Fomos aconselhados a descer, pois havia risco de deslizamento. Viemos embora e de fato, uma semana depois, tudo veio abaixo. Mais de 3 mil toneladas de neve desceram, matando mais de 100 pessoas e destruindo completamente o local onde ficamos. Virou o túmulo do renomado diretor russo Sergei Badrov Jr.

De volta pra cidade, um dia de descanso, hora de comprar souvenires. E no Cáucaso, os kinjais – espécie de punhal típico -, o rag – chifre onde se toma vinho ou vodka em ocasiões especiais – e a vodca local são ótimas lembranças. Hora de descansar, pois no dia seguinte, um monstro maior: Feokdon, 3 km acima do nível do mar, e se possível, Tsei, quase 4 km…

Partimos cedinho, pois a viagem é longa e entediante. Quase cinco horas até o local. O tempo estava horroroso, com chuva, neblina, vento, e por isso a viagem foi muito entediante. Diz a lenda que existem alguns lugares nas montanhas do Cáucaso nos quais o sol sempre brilha. Eu comprovei, pois em algumas faixas da estrada, de fato o sol sempre brilhava, tanto na ida quanto na volta. Reparando nas montanhas, é possível ver os buracos nas pedras, onde os antigos moravam, e também as torres que construiam ao redor das cidadelas por lá, feitas de pedra. E também ao longo da estrada existem pequenas casas feitas de pedra, para os mortos, as ‘cidadelas dos mortos’. Já a mais de 2 mil metros, agora os efeitos da altitude são sentidos. O tempo estava péssimo, mas mesmo assim conseguimos chegar no camping. Mas não foi possível sair da barraca, pois ventava e estava muito frio mesmo. A solução foi dormir. Mas no dia seguinte, o tempo não estava muito melhor, mas pelo menos dava pra andar pelas montanhas e fazer algumas fotos. Quando a neblina dava uma trégua, dava para reparar que estávamos acima das nuvens, acima da chuva e pertinho do sol! E olhar para aquele gigante 4 mil metros de altitude, ao nosso lado, dá uma sensação de inutilidade incrível!

Hora de descer. Novamente, risco de deslizamento. Tsei, o segundo maior gigante, ficou para a próxima vez. Pena, mas ainda tivemos tempo de vê-lo entre a neblina. Coisa assustadora: gigantesco, imponente. Simplesmente não se vê o topo… Descendo a serra, no caminho de volta, fomos mais rápido, pois já estava escuro – 4 da tarde. Mau sinal. Felizmente, conseguimos chegar a cidade para dormir e partir no dia seguinte para a Geórgia.

Após 4 horas dentro de uma van, cruzamos a Ossétia do Sul e chegamos na fronteira com a República da Geórgia (Gruzia). Independente desde o fim da URSS, guiada pela mão-de-ferro do ex-secretário de relações exteriores da URSS Edward Schevardnadze, a Geórgia está sempre medindo forças com a Rússia. Sua capital, Tbilisi, como tive a oportunidade de ver, passou de uma das mais lindas e prósperas cidades da URSS a um lugar abandonado, sem ordem, feio, sujo, caótico e sem segurança alguma. Os antigos prédios, a arquitetura, as casas tudo está abandonado. Toda a infra-estrutura soviética foi desmantelada em função do orgulho de um ditador. Agora, os georgianos passam tempos difíceis, sem emprego, gás, luz e sobretudo sem perspectiva. O resultado é que muitos se engajam na guerra como forma de se garantir. Em algumas horas cruzamos a Geórgia, com poucas descidas do carro, quando tempo, lugar e condições de segurança permitiam (eu não tinha visto e não pareço muito com os locais, o que chama muita atenção).

Na fronteira com a Armênia, legendária república ao sul do Cáucaso, famosa pelas conquistas e por ter sido arrasada pelos turcos no séc. XVI, passamos tranquilamente. O povo armênio é muito simpático. Não existem muitos empregos oficiais, por isso a maioria das pessoas ganha a vida vendendo o que produz – em especial conhaque, vinho e queijos. Rodamos algumas horas por Erevan, e tive a sensação de estar numa cidade fantasma, mas com pessoas vivendo. Ao contrário da Geórgia, a infra-estrutura soviética ainda existe, mas funciona sem a menor condição. Nada aqui tem menos de 10 anos. Mas, definitivamente, não há muito o que ser visto por aqui. Dizem que uma grande reforma está prometida para os próximos anos. Dizem que a Armênia é uma das mais antigas civilizações do mundo – isto é, que sobreviveu para contar história.

Nas cidades, enfim, não há muito o que se ver. Sem contar a Ossétia do Norte, os países do Cáucaso sofrem com guerras, pobreza, abandono e falta de infra-estrutura. Por outro lado, seu povo é um exemplo de alegria e amizade. Aqui, o hóspede é mais importante que um santo. Você pode estar sendo recebido na casa mais pobre, mas tudo que eles tiverem, será oferecido a você na hora dos infinitos brindes regados com vodca fina. E ao redor das cidades, estão as fascinantes e assustadoras montanhas. Enormes, infinitas, túmulo de milhões que desafiaram sua altivez em nome da aventura. Dizem que quem mora no Cáucaso e sai, leva as montanhas consigo. E quem vem de fora e respira o ar das montanhas, está enfeitiçado: enquanto não voltar, vai parecer que sua vida não está completa.

Artigo anteriorPrivet
Próximo artigoQuando falta um, não sobra outro
Mestrando em Russo pela USP, formado em jornalismo pela UFF, Letras português - russo pela UFRJ e quase-formado em Cinema, ainda pela UFF, com pós-graduação em Moscou, pela MGU. Morei em Moscou e conheço bem muitas outras cidades russas e do Leste Europeu. Sou um profundo interessado no Cáucaso, onde também estive em várias cidades algumas vezes.
COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here