‘Não Conta Lá em Casa’ visita a escola de Beslan

3
82
views

Ontem, enfim, foi exibido no canal ‘Multishow’, o episódio do programa ‘Não Conta Lá em Casa’ gravado em Beslan, na Ossétia do Norte, no Cáucaso russo. A cidade entrou no mapa no dia 1 de setembro de 2004, quando um grupo de terroristas ingushes e chechenos fortemente armados invadiu a escola número 1, fazendo 1.100 pessoas reféns – entre elas, 770 crianças. Após três dias de tensão, 380 pessoas morreram, entre terroristas, crianças, professores, civis e militares russos.

Estive na Ossétia do Norte, também conhecida por ‘Alania’, alguns anos atrás. É um dos lugares mais simpáticos dentre todos os que conheci na Rússia. No âmbito do Cáucaso, onde praticamente todos as etnias têm problemas históricos com os russos, trata-se de um pequeno oásis, onde se fala bem a língua russa e não se alimenta nenhum problema com Moscou.

Tudo aconteceu no 1 de setembro, o День знаний (Dyen Znanii, dia do conhecimento), ou праздник Первого звонка (Prazdnik pyervovo zvonka, feriado do primeiro toque de sinal), quando os alunos da primeira série vão com suas melhores roupas, fazem festa, cantam e comemoram o início do ano letivo presenteando os professores com flores. Um dia de celebração nas escolas, que ficam lotadas, em todo o país.

Logo depois de partir de Beslan, o quarteto cruzou a fronteira com a Ossétia do Sul, rumo a sua capital, Tsikhinvali lugar onde, em 2008, houve uma ferrenha guerra entre russos e georgianos pelo controle do local. O vídeo do programa está logo aqui. E se você tiver quise saber mais sobre esse lugarzinho no mundo, o qual posso dizer que conheço muito bem, mais abaixo eu conto um pouco da história desse pequeno e belo enclave nas montanhas, onde se fala o ossetino, uma variação do iraniano.

E não esqueça de seguir a aventura dos caras. Todas as info estão no site oficial do programa ou na página do Facebook deles.

Ирыстон (Iryston), o nome do país na língua local, é habitado desde tempos imemoriais pelos ‘alanos’, que chegaram a dominar a Europa pouco antes do século X. O que é hoje a Ossétia do Norte foi anexada ao Império Russo no final do século XVIII. Já a parte sul é reclamada pela Geórgia como parte do principado de Kartli, e foi anexada pela Rússia no início do século XIX.

Logo depois da Revolução Bolchevique, a Ossétia foi oficialmente dividida: o norte ficou com a República Federativa Soviética Socialista da Rússia, enquanto o Sul, para atender aos anseios seculares georgianos, com a República Soviética Socialista da Geórgia. O país foi rachado ao meio, dividido pela principal cordilheira do Cáucaso.

Enquanto o Norte, a Alania, é homogêneo em sua população, o sul guarda uma enorme mistura com os georgianos – e nunca teve uma clara fronteira com o vizinho. Nas duas principais cidades do sul, Java e Tsikhinvali, a capital, a população é predominantemente osseta, e você vai ouvir somente essa língua, além do russo. Já nas outras cidades, essencialmente vilas, a maioria é georgiana – que mantém sua língua e tradições. No geral, no território sul-ossetino, a divisão étnica é algo em torno de 70-30 para os alanos.

Pouco antes da queda da União Soviética, a Ossétia do Sul exigiu mais autonomia, a Geórgia negou e, ao fim do Império Vermelho, os sul-ossetinos aprovaram sua independência em um plebiscito. Obviamente, a Geórgia refutou o resultado. Nesta mesma época, a URSS ratificou a unificação das Ossétias, mais uma medida abolida pela Geórgia. A primeira guerra entre os três lados, Rússia, Ossétia do Sul e Geórgia, estourou em 1990 e durou até 1992.

Após o conflito, foi criado um ‘corredor militar’ que durou até 2008. Uma zona observada por forças de Rússia e Geórgia, deixando uma Ossétia do Sul cuja situação política permaneceu no limbo: declarou independência, mas ninguém reconheceu. Quando eu fui lá, cheguei a cruzar esse corredor militar. E foi uma experiência tensa, apesar de ter transcorrido sem problemas.

Em 2008, após novas hostilidades, a Geórgia invadiu a Ossétia do Sul, para reclamar o controle de seu território, e foi repelida após poucos dias por uma coalizão entre forças russas, sul-ossetas e abkházias, outra parte do território georgiano que quer independência. Hoje, a Ossétia do Sul é ‘independente’, mas, na prática, está sob controle russo. Vale lembrar que a maioria dos sul-ossetas, desde muitos anos atrás, recebe passaporte da Federação Russa, ou seja, são parte da Rússia.

3 COMENTÁRIOS

  1. Acho muito linda essa região altamente conturbada e, gostaria de saber mais sobre ela, ver alguns vídeos, inclusive de alimentos sendo preparados, bebidas, ver como são feito os casamentos, batismos de crianças, se houver, religiões, se existem crentes, protestantes,noivados, enfim, tudo o que v/cs. puderem informar e são coisas que todos gostam de saber das nações ao redor do mundo. Obrigado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here