O frio é psicológico desde pequenininho…

Um jardim de infância, na cidade de Krasnoyarsk, mantém a tradição de dar um banho coletivo nas crianças. E com temperatura na casa do zero grau. Tudo isso acordado pelos pais, sacramentado pelos professores e garantido pelos médicos. Serve para ensinar as crianças a não terem medo do frio, criarem resistência a gripes e resfriados e, como diz uma das pedagogas, “deixarem de frescura”.

As crianças chegam, trocam de roupa, colocam sungas e maiôs coloridos, tomam um banho e saem correndo pela neve. Depois, uma sauninha. Os médicos dizem que o choque térmico é ainda mais saudável. E no vídeo (que recomendo fortemente assistir, é um barato!), uma das mamães garante: “Meu filho chegou aqui fraco, vivia doente. Agora, não tem mais nada”.

A tradição só é suspensa se a temperatura for menor que -25 graus. A diretora do jardim de infância garante que, há anos, não acontece uma epidemia de gripe entre suas crianças, fato corriqueiro na terceira maior cidade da região da Sibéria, onde as temperaturas podem alcançar -50 graus.


Professora da banho em criancas. Zero Grau. Foto REU Professora da banho em criancas. Zero Grau. Foto REU

email
Related Posts with Thumbnails
http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/stumbleupon_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/delicious_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/technorati_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/google_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/myspace_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/facebook_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/yahoobuzz_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/twitter_48.png


Uma resposta para “O frio é psicológico desde pequenininho…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia o post anterior:
“Filho da mãe”. Mas sem pai

Outro dia no trabalho, o amigo Kaz me mostrou uma entrevista com Bernardo Carvalho, que estava, enfim, lançando seu livro...

Fechar