Oposição ‘prende’ Pútin e corre risco de perder a razão

Não curti esse vídeo do Pútin sendo preso, mas como isso virou um tremendo buzz, boto aqui e deixo minha opinião. Imagine que fazem um vídeo semelhante com Lula ou Dilma, em ano eleitoral? Pois é. Por mais que a gente não goste, não respeite, sempre tem que partir pro argumento democrático. Ainda que, em alguns casos, os outros lados não sejam lá muito dialético-democráticos…

Eu sempre cito o terrorismo que Collor e cia. faziam com Lula, nas eleições presidenciais de 1989. Hoje é exemplo do que NÃO fazer em uma eleição. E, por mais engraçadinho que isso seja, acaba desacreditando uma eventual oposição, talvez até provando um certo desespero. Mas eu também posso estar sendo amargo demais. Enfim, assistam, leiam o bom texto da AFP e tirem suas conclusões.

Vídeo de Putin ‘julgado’ por terrorismo é sucesso na web entre os russos

Da AFP

Uma montagem de vídeo que mostra o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, no banco dos réus em um julgamento por “planejamento de atos de terrorismo” já foi vista mais de 2 milhões de vezes nesta quarta-feira, três dias depois de ser postado na internet.

“A prisão de Vladimir Putin: reportagem do tribunal” mostra o homem forte do país no Tribunal Khamovnitcheski de Moscou, sendo julgado pelo magistrado Danilkine Viktor, que condenou no final de 2010 o ex-magnata do petróleo e crítico do regime russo, Mikhail Khodorkovsky.

A voz em off explica que Putin foi julgado por “apropriação indevida de propriedade do Estado”, “abuso de poder”, “maquinações financeiras” e “participação na preparação de atos terroristas destinados a espalhar o terror entre a população e influenciar os órgãos do Estado”.

“Nós soubemos que há três horas o ex-primeiro-ministro foi escoltado ao tribunal Khamovnitcheski”, explica a falsa reportagem.
Vídeo de Putin ‘julgado’ por terrorismo é sucesso na web entre os russos (Foto: Reprodução de vídeo)Vídeo de Putin ‘julgado’ por terrorismo é sucesso na web entre os russos (Foto: Reprodução de vídeo)

“O porta-voz do juiz Viktor Danilkine deu esclarecimentos sobre a situação, explicando que o julgamento começa hoje”, prossegue.

Na imagem, vemos Putin, cabeça abaixada, de pé em uma cela, onde os réus permanecem durante os julgamentos nos tribunais russos. Às 15h GMT (13h de Brasília), o vídeo tinha sido visto por mais de 2 milhões de vezes.

“Eu não esperava todo este sucesso”, disse Vadim Korovine, cuja empresa de difusão de vídeos Lancelot postou a montagem. “Acho que muita gente ia preferir ver ele dentro da prisão”, acrescentou em uma entrevista à France Presse por telefone.

A eleição presidencial do dia 4 de março se aproxima e Vladimir Putin ainda é o favorito, “a questão é saber que tipo de pessoas é essa que vamos reeleger”, prosseguiu Korovine.

O vídeo postado na terça-feira na conta do youtube LancelotChannel, pertencente a Lancelot promove um documentário “O assassinato da Rússia”, de 2002.

Este filme acusa o Serviço Federal de Segurança (FSB) de orquestrar os atentados de 1999 na Rússia para justificar uma nova guerra na Tchetchênia e permitir a ascensão ao poder de Vladimir Putin, ex-oficial da KGB e ex-chefe do FSB.

Um dos diretores do filme era Alexandre Litvinenko, ex-funcionário do FSB e opositor do regime russo, morto em novembro 2006 em Londres após ser envenenado por uma substância radioativa.

Korovine explicou que dispõe dos direitos de exibição na Rússia do documentário realizado pelos diretores franceses Jean-Charles Deniau e Charles Gazelle, mas o Ministério da Cultura interditou a sua difusão.

Os opositores russos, sem acesso às mídias tradicionais, estão fortemente presentes na internet, e vídeos denunciando Putin alcançam regularmente o sucesso na rede.

email
Related Posts with Thumbnails
http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/stumbleupon_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/delicious_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/technorati_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/google_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/myspace_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/facebook_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/yahoobuzz_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/twitter_48.png


9 respostas para “Oposição ‘prende’ Pútin e corre risco de perder a razão”

  1. Felipe Goltz disse:

    Caro Fabricio,
    Acompanho política russa há priscos anos e procurei ler com intensidade ainda maior os desdobramentos políticos naquele país, que nós tanto gostamos, desde as eleições parlamentares do ano passado. Pois bem. Jamais Vladimir Putin teve de passar por tantas saias justas como agora, desde que assumiu o poder em Março de 2000. Conseguiu reerguer e fazer temer um país que havia se tornado chacota na era Ieltsin, domesticou mídia e oposição e nada parecia lhe tirar do sério até as últimas semanas de 2011. Há em curso, e basta consultar a internet, uma intensa campanha de desacreditação de VVP, especialmente na mídia ocidental, é lógico. Eles sabem que Putin é, de longe o favorito para ganhar o pleito de Março, mas querem lhe tirar a legitimidade de vencedor custe o que custar, mesmo que ganhe sem uma única irregularidade sequer. Putin, na verdade, não é o Russia Unida. Sempre conseguiu desvencilhar a sua imagem deste espécie de PMDB russo. Mas desta vez a coisa está muito mais difícil. Outro azar de Putin é que o atual presidente Medvedev é muito fraco e sem personalidade nenhuma. Medvedev nunca conseguiu provar que realmente mandava e Putin nunca conseguiu “desprovar” que não mandasse. Talvez se o candidato de VVP para 2008 fosse Sergei Ivanov a coisa fosse diferente. A chave para um terceiro mandato relativamente tranquilo para VVP é ganhar esse negócio sem que nenhum votinho sequer fique em dúvida. E, obviamente, desamarrar o sistema que ele mesmo criou nestes últimos anos. A oposição russa é ridícula de dar pena, mas em uma democracia até os ridículos tem o direito de participar do jogo político. C’est la vie.
    Abs

    • Boas Felipe,
      Só acho que tem uma sutileza: era completamente óbvio que a Rússia, enquanto herdeira do espólio soviético (inclusive das dívidas), iria sair daquele atoleiro em pouco tempo. E ainda teve que passar por duas crises gigantes, 1998 e 2008. Para vc ter uma ideia, o Brasil deu um calote em 1987 com uma dívida de US$ 100 bilhões. Somando tudo, em 98, a Rússia devia menos de US$ 70 bi. Isso sem sistema bancário, sem mercado, sem bolsa, sem nada de economia… Era uma dívida que ninguém sabia de onde vinha ou quem tinha contraído. Pode pesquisar, essa dívida é fantasma!
      Mas aí veio um sujeito que tinha o aparato investigativo, sabia dos podres de todo o ‘empresariado’, era autoritário e tinha uma sorte tremenda, e tomou o poder. Sorte, digo, quando o preço do petróleo e do gás disparou de US$ 20 para US$ 140, p. ex, e o Oriente Médio entra em pandemônio. (Um dos motivos da crise de 98 foi o preço do petróleo e gás ter ido terra abaixo, com a crise de Taiwan… Azar do Yeltzin).
      O que quero dizer? O que Pútin fez não foi ‘restaurar o orgulho russo’. Isso é uma invenção dele. A Rússia Unida é uma invenção dele. Esse sistema tosco é invenção dele… Ele foi autoritário e déspota o suficiente para manter tudo na linha. O interior do país ainda vive no universo soviético, te falo pq vi. Basta sair uns 100km de Moscou que vc volta no tempo 50 anos…
      Mas aí vc se pergunta, ‘como é que, mesmo falido, o interior russo é a base de apoio dele?’. Simples: propaganda pesada, como essa aqui (http://www.falandorusso.com/wp-content/uploads/2011/08/4z0qe.jpg). Cá pra nós, o cara tinha uma vida espartana na URSS, passou fome nos anos 1990 e volta pra vida espartana. Longa vida a quem me deu isso! pensam.
      Putz, falei pacas.
      Desculpa aê… e valeu pelas visitas e comentários constantes! Onde vc mora? Isso dá papo pra muito chope! 😀

  2. Felipe Goltz disse:

    Caro Fabricio,
    Moro a 100km de Moscou…hehe, brincadeira. O mais perto que cheguei da Rússia foi a Finlândia, do tempo em que morei na Suécia em 2005. Algumas colocações que você fez são interessantes, mas lembro que em 2000, quando Putin assumiu o controle do país, ele jamais prometeu democratizar a Rússia, mas modernizá-la. Ou, ao menos, tirá-la do atoleiro. Lembro que ficava, e fico, até hoje abismado com o que a Rússia virou na era Yeltsin: uma Colômbia com armas nucleares, como disse certa vez o Paulo Francis. O país era uma bagunça em todos os sentidos, sendo que aquilo de bom – ou o pouco de bom – que a URSS tinha evaporou. Li e leio muita coisa sobre a Rússia, chega a ser uma obsessão. O site da Amazon tem muito material neste sentido e já gastei uma bela soma em livros sobre tudo o que você pode imaginar que envolva a Rússia: desde sobre os oligarcas de autoria do David Hoffman até um, que estou por acabar, sobre o conflito na Chechênia do Yossef Bodansky. Alguns cheguei a ler duas vezes. Acabei de assistir a um documentário ótimo do Alexander Gentelev sobre os mafiosos russos, Thieves in Law – Vory v Zakone.
    É lógico que VVP tem lá seus defeitos, mas acho que ele conseguiu fazer muita coisa boa, tanto que a própria Time o elegeu Man of the Year em 2007, reiterando justamente este ponto: a rapidíssima recuperação e reinserção estratégica e econômica de uma país praticamente morto na década de 90. Você levantou um ponto muito interessante, o petróleo. Bom, é evidente que a economia russa é altamente dependente, embora não 100% como Venezuela e Arábia Saudita, de commoditites energéticas. Mas, se o sucesso de Putin fosse apenas e tão somente explicado por isto, por que países como Venezuela ou Nigéria não saem do fundo do poço? Afinal, as exportações venezuelanas, por exemplo, são tão altas quanto as russas, com a vantagem de ser uma país pequeno e com população inferior. Quero com isto dizer que VVP tem sim um grande mérito pelos avanços russos desde 2000. Para mim, isto é incontestável e ele, Putin, sabe explorar isto muito bem. É o seu grande trunfo político. Tanto que a oposição russa nem toca neste assunto, procurando manter o seu envolvimento na década de 90 o mais longe possível da memória dos russos. O foco deles é outro: desmoralizar o atual regime custe o que custar. O idiota do Navalny andou dizendo para a BBC, hoje mesmo, que Putin será “forçado a sair do poder daqui a 2 anos. No máximo.” Coitado, olha contra quem este sujeito está comprando briga! Se Putin mandou o ex-homem mais rico do país e um dos mais ricos do mundo para uma prisão na fronteira com a Mongólia, o que não faria contra uma claque de blogueiros mequetrefes que ousasse retirá-lo do poder à força? Das duas, uma: ou Navalny & Cia sentem-se seguros por patronagem externa ( leia-se EUA ) ou estão brincando com fogo. Ou melhor, lança-chamas, no caso de Putin.
    Abs,

    PS: moro em Caxias do Sul

    • É por aí mesmo, Pútin tem méritos, claro, sobretudo políticos. É um figura central, agregadora e forte politicamente. Mas essa força vem justamente da ilegalidade, de ter montado um estado foucaultiano, um panopticon, onde sabia tudo de todo mundo. Usou alguns oligarcas como exemplo: prendeu meia dúzia, para a surpresa do povo, desarticulou a tosca máfia russa (que hoje é dominada mesmo em Moscou pelos chineses e pela Yakuza), matou outros tantos, incluindo aí jornalistas. Terminou uma guerra que Yeltzin começou, do jeito que deu, e Anna Politkovskaya contou muito bem o que acontecia na Chechênia. Aniquilou os pequenos, bravos e muçulmanos chechenos como recado para outros eventuais rebeldes, como Sakha e Tatarstão. É a força política dele.
      O que diferencia a Rússia da Venezuela, do México e dos países árabes? Bom, a mesma coisa que diferencia Cuba do Haiti e da República Dominicana: o capital humano e a infraestrutura estatal. São países onde o sistema educacional é tão ou mais desenvolvido que a maioria dos países ricos e o sistema de saúde, embora não seja de ponta como dizem, é igual, teoricamente, para todos. Com uma população que tem uma taxa zero de analfabetismo e com mais de 80% possuindo nível superior, é difícil não superar qualquer crise. Saúde, esporte e educação são os pilares para construir uma sociedade. Nisso, Marx, Lenin e os sanguinários do séc. XX sabiam muito bem!
      Eu tenho essa TIME aqui e lembro bem da frase e cito ‘TIME’s Person of the Year is not and never has been an honor. It is not an endorsement. It is not a popularity contest. At its best, it is a clear-eyed recognition of the world as it is and of the most powerful individuals and forces shaping that world—for better or for worse. It is ultimately about leadership—bold, earth-changing leadership. Putin is not a boy scout. He is not a democrat in any way that the West would define it’. A TIME mesmo avisa, o homem do ano pode ser um tremendo filho da puta…
      http://www.time.com/time/specials/2007/personoftheyear/article/0,28804,1690753_1690757_1696150,00.html
      O grande catch não é questionar o que Pútin fez na Rússia, isso é inquestionável. Ele foi o líder que o país precisava, na hora que precisava. O que se questiona agora é o fato de ele ser o homem para o futuro da Rússia, coisa que ele já provou não ser. O país precisa andar pra frente, abandonar o fardo soviético e se tornar uma liderança mundial. E, para isso, já está provado que Pútin não serve. O desesperador é que nenhum destes que figuram na oposição tampouco prestam.
      Eu digo sempre: que sina a deles, imagina, Putin, Zyuganov, Prokhorov, Navalny…
      Putz, Caxias. Bom, qq hora a gente se esbarra, vai que na própria Rüssland! Já vi que vc é um cara diferenciado e tem uma visão sensata daquela zona! Esse papo contigo tá mesmo me fazendo refletir um bocado!

  3. Felipe Goltz disse:

    Caro Fabrício,
    Eu penso que a Rússia não é, e não pode se transformar, em uma Belarus, na qual o chefe de governo, Alexander Lukachenko, é o mesmo desde o fim da URSS. Não acredito que Vladimir Putin vá se agarrar no poder desta forma ad eternum como a oposição russa tanto esperneia. Estava pensando com os meus botões e cheguei a uma conclusão: será que a grande sorte de VVP não foi o timing destes protestos? Explico: mesmo com a popularidade parcialmente abalada, a situação de Putin não é a vivida pela Ucrânia em 2004, em que o próprio pleito presidencial estava em jogo. Caso fosse, Putin estaria lascado. Teria de renunciar. O fato de ter sido uma “mera” eleição parlamentar ( entre aspas mesmo ) e de ser um “mero” primeiro-ministro alivia a barra dele em parte. Além do mais, uma intensa campanha de rebranding de VVP, o tal Putin 2.0, está em pleno vapor, com artigos escritos na imprensa local e traduzidos para a estrangeira. De qualquer maneira, Putin é um sujeito que sabe jogar com as cartas que tem na mão. Ele, de certa maneira, se moldou ao longo dos anos, conforme as circunstâncias exigiam e acho que o fará mais uma vez desta vez. Quero com isto dizer que, se for realmente esperto – e ele é – fará uma abertura política gradual, sem solavancos. Concedendo um pouco aqui e outro ali. Mas se forçarem a barra para cima dele, acho que o caldo engrossa para os oposicionistas. Putin detesta ser pressionado e não reage com suavidade em situações em que a sua autoridade é posta em cheque. Vide caso Khodorkovsky. Não pensa de forma atabalhoada como Gorbachev e Ieltsin, mas de maneira extremamente calculista e fria. Tira sempre o máximo de proveito, mesmo quando a maré está baixa. Parece mais um jogador de xadrez, ao invés de um político. Minha opinião: serão seis anos de guerra verbal entre oposição e situação, com períodos esporádicos de maior intensidade, mas contínuo afrouxamento do atual sistema. A ver.
    Abs
    PS: É um grande prazer debater este tópico contigo, Fabricio.

  4. Enaldo Soares disse:

    A paginação do seu blog dificulta a leitura dos posts anteriores. É uma pena.

    • Oi Enaldo,
      Vc poderia ser mais específico? Pq, numa boa, aceitando sua crítica e tentando melhorar, o blog teve algumas dezenas de milhares de visitantes em cerca de 4 meses e nunca ng reclamou disso…
      Seja mais específico, pra ver se eu tenho como melhorar.

  5. Felipe Goltz disse:

    Fabricio,
    Você acha que existe a possibilidade de o Putin ser julgado após ele deixar o poder?
    Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia o post anterior:
‘Cinismo russo e chinês na crise síria’ – O Globo

O Globo - 10/02/2012 O ditador sírio Bashar Assad continua se aproveitando do veto de Rússia e China à ação...

Fechar