Turismo em Chernobyl é piada de péssimo gosto

Chernobyl é um assunto com o qual sou muito reticente. E a notícia de que a Ucrânia planeja, de alguma forma, explorar a zona de exclusão para um tipo de turismo extremo me deixa mais cabreiro ainda. Como assim, uma das maiores tragédias da humanidade, vai virar atração? Nem se tem ideia dos riscos reais da usina para a região, que dirá para visitantes.

Bom, como eu disse, sou reticente. Cheguei perto demais de ter um envolvimento pessoal e físico para aceitar isso. Explico: em 2002, se não me engano, tinha agendado a viagem, tudo certo. Só faltava o visto ucraniano. Que, por dessas razões cósmicas, acabou não saindo. Melhor. Pesquisando e falando com algumas pessoas, tempos depois, descobri que, se tivesse ido, talvez esse blog seria psicografado.

Sala de controle do reator 4 de Chernobyl - AP

O fato é que nem as autoridades ucranianas – e nem as autoridades bielorrussas – têm ideia do que acontece por lá. Trata-se de um enorme buraco negro dentro do planeta Terra. Há muito estudo, muita especulação, e pouco fato concreto. Teorias sobre exposição, sobre meia-vida, sobre não-ionização, sobre a atual situação do reator e do sarcófago pipocam a cada momento. Por outro lado, a gente sabe que a Ucrânia enfrenta uma gravíssima crise econômica, já tendo, inclusive, feito uma espécie de chantagem com o resto do mundo: ou vocês financiam essa herança maldita – a construção de um novo sarcófago sobre o reator que explodiu – ou as consequências serão sentidas por todos.

ONGs dizem que é impossível contar o número de vítimas diretas ou indiretas do acidente com o reator 4, ocorrido em abril de 1986. O fato é que mais de 130 mil pessoas foram evacuadas de suas casas nas cidades mais próximas, após uma explosão 500 vezes mais potente que as bombas de Hiroshima e Nagasaki juntas. Hoje, trabalham nas instalações cerca de 2.500 funcionários da Ucrânia e de entidades internacionais. Sabe-se lá em quais circunstâncias.

Com a crise, o governo é pressionado para abrir uma área controlada num raio de 50km ao redor do reator, para quem esteja disposto a pagar por isso. O detalhe é que, mesmo com algumas dezenas de ONGs e empresas de turismo provendo passeios pela ‘zona morta’, oficialmente, nunca ninguém que não estivesse em missão oficial esteve lá.

Os poucos tours – e aí eu aconselho aos amigos que, se tiverem essa vontade, esqueçam -, são enormes falcatruas. Usam aparelhos viciados, dão falsos banhos químicos, manipulam dosímetros e oferecem trajes inadequados. Lembro que a Elena Filatova, uma das referências no assunto, alertou: ‘Circular 1 metro fora do traçado determinado pode significar uma dosagem de radiação até mil vezes maior que o tolerável’. Isso pode determinar a diferença entre a vida e a morte (lenta e sofrida, na maioria das vezes)

Por isso, deixo o alerta: turismo em Chernobyl, jamais. E, se o governo da Ucrânia oficializar, aí mesmo é que você não deve confiar.

email
Related Posts with Thumbnails
http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/stumbleupon_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/delicious_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/technorati_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/google_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/myspace_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/facebook_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/yahoobuzz_48.png http://www.falandorusso.com/wp-content/plugins/sociofluid/images/twitter_48.png


16 respostas para “Turismo em Chernobyl é piada de péssimo gosto”

  1. Matheus Gomes disse:

    Que estranho explorar turisticamente uma área tão sinistra..

    As imagens mais recentes de Chernobyl devem ser do vídeo de Sweet People, da ucraniana Alyosha, que representou seu país no último Eurovision.

    A cidade é triste e perigosa, tiveram que cancelar as gravações por conta da insegura exposição à radiação..

    Aqui o clipe, com as imagens da cidade e a música, que é um protesto conta as agressões à natureza:
    http://www.youtube.com/watch?v=iftp2SEKB6Q&playnext=1&list=PLF8A3C6DE39D1EEA2&index=22

  2. […] doidas para reaproveitar a ‘zona morta’ de Chernobyl, a gente já sabe. Primeiro, foi o turismo. Agora, Kiev quer iniciar um programa de agricultura planejada em áreas antes interditadas em […]

  3. […] desesperado com um estado falido e ávido por qualquer receita, anunciou que pretende estimular o turismo na ‘Zona Morta’, e até ‘agricultura controlada’. Uma bizarrice, uma estupidez absolutamente sem […]

  4. Apple disse:

    Acho que você ficou chateado de não conseguir ir e agora fica falando isso. Varios reporters da Globo ja visitaram Chernobyl e nada aconteceu

  5. Leandro disse:

    eu fui a uma semana atras, foi animal, voce ta chorando por que nao foi!

  6. Daiane Cristini disse:

    Bom..sei lá, tenho planos de ir agora em Junho, sou da área nuclear e analisando a situação antes de confirmar, juntamente com uma equipe de radioproteção, não é o que a mídia tem divulgado.
    Espero fazer uma boa viagem e relatar o que de fato acontece por lá.
    Dai.

    • Oi Daiane,
      Primeiramente, valeu pela visita e comentário!
      ‘Segundamente’, ao que parece, somos colegas de USP. =)
      Terceiramente, que fantástico, enfim, alguém que realmente entende do recado. Eu tentei ir em 2000 e 2001, tempos muito mais obscuros. Ano passado fui convidado, mas declinei gentilmente. Fiz algumas matérias sobre o assunto e tenho dois grandes amigos, também da área nuclear, um alemão e outro sueco, que me contaram coisas meio escabrosas. Os amigos do programa ‘Não Conta Lá em Casa’, do Multishow, também estiveram lá ano passado e acharam normal. Enfim, muitas informações. E a Ucrânia é bem mais zoneada que o Brasil.
      Em todo caso, te deixo o convite para escrever para o blog. Ia ser fantástico um alerta de alguém de nosso convívio e que realmente entende do recado.
      Abraços!

  7. Daiane Cristini disse:

    Olá Fabrício,

    Ótimo Blog: prático e inteligente, parabéns!
    Bom, sou mestranda também USP faço no IPEN… (sim N de Nuclear)..mas sou do bem haha.
    Dou aulas e trabalho nessa área cerca de 4 anos. Realmente gosto.
    Claro que não estou indo de ‘peito aberto’…serei cautelosa. Mas não costumo confiar na mídia sobre assuntos nucleares…por isso vou encarar o desafio e ver realmente o que ocorre. Anyway…acho que será tranquilo sim..na dúvida, providenciarei um dosímetro pessoal (equipamento que mede radiação) para levar comigo. Vai que…srsrrs
    Mas prometo sim escrever algo para o blog. Ficarei pouco mais que um mês na Europa, espero ter bastante para escrever!
    Me manterei informada pelo seu blog!

    Abraços!
    Dai.

  8. Vivian disse:

    Sério amigo, vc é demais! A Ucrânia mais zoneada que o Brasil??? Vc já chegou a ir para qquer país do leste europeu??? Já chegou a ver como são as coisas lá??? Já chegou a ir para a Ucrânia??? Realmente acredito que não! Quando for, reveja suas conclusões! E antes que me chame de desinformada e outras coisas, já estive lá duas vezes e é um país incrível, Kiev é uma belíssima cidade!

    Ah, estuda na USP? Somos colegas de faculdade!

    Abraços.

    • Oi Vivian,
      Só o fato de vc poder comentar o que vc quer (sem risco de represálias), já torna o Brasil um país mais interessante.
      E acho que conheço alguns países do leste europeu sim…
      Todos os dias revejo minhas conclusões. E elas não ficam mais favoráveis. Não chamo, também, ninguém de desinformado. Só existem formas diferentes de entender informações diferentes. E muitas dessas formas dependem, essencialmente, do que nós queremos ver.
      Sim, Kiev é linda. A Ucrânia é linda. E seu povo é incrível.
      E sim, estudamos na USP. Talvez separados por um abismo de pontos de vista – e de informação.
      De qq forma, abraços!

  9. teka disse:

    Eu jamais iria a um lugar desse, além de ser burrice…quem sabe voltam doente….é muita burrice!

  10. Roberto disse:

    Ok o tour pode ser classificado como de mau gosto. E quanto a visitação de campos de concentração como os de Auschwitz?

  11. Leandro disse:

    Texto arcaico. Hoje se come até maçã por lá. E eu que fiz a pouco tempo uma cirurgia retirando um tumor, estou louco pra ir pra lá. Não ignorando o local, mas estudando e vendo que há um risco mínimo de sequelas por isso.

    • Olá,
      Comentário arcaico. Leio isso desde 1995. Geralmente, de gente que nunca foi pra Angra dos Reis, visitar nosso reator. Que dirá a Chernobyl.
      De qq forma, obrigado pela audiência e boa sorte na viagem. E que a remissão seja completa!
      Abraço,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia o post anterior:
Moscou recebe seu 3° Festival de Cinema Brasileiro

Mais uma vez, Moscou vai receber a nata do cinema brasileiro. De 10 a 15 de dezembro, os brasileiros, os...

Fechar